en   fr   de   ro   es   it
  
     Username:  Password:  

registerforgot password?

Sunday, 22 October 2017
Navega por artistas Navega
LAST  Advertisements
LAST  Last Queries

 


Escuchar Lumumba - Fica Sousinho


Letras

Tudo Igual (Lulu Santos)

Então é assim que a vida faz
E sempre haverá um fim
Uma pano rápido ou um plano
Longânquo do horizonte, e os créditos

Os personagens se revelam
Atores no aplauso final
E para cada interpretação
O que lhe for proporcional

Fica muito bem em cinema
Romance do romance ideal
Só vamo então deixar combinado
Aqui é a vida real

Não leve o personagem para cama
Pode acabar sendo fatal
Então desmonta logo esta máscara
Voltemos à estaca zero, fica tudo igual
Normal

Reza Vela (O Rappa)

Larara....

A chama da vela de reza
direto com santo conversa
ele te ajuda te escuta
num canto coladas no chão as sombras mexem

pedidos e preces viram cera quente
pedidos e preces viram cera quente

a fé no sufoco da vela abençoada no dia dormido
o fogo já não existe eles saíram do abrigo
são quase nada

a molecada corre e corre e ninguém tá triste
a molecada corre e ninguém tá

se tudo move se o predio é santo
se é pobre mais pobre fica
vira bucha de balão ao som de funk
e apertada tua avenida

a cera foi tarrada
não se admire

se tudo move se o predio é santo
se é pobre mais pobre fica
vira bucha de balão ao som de funk
e apertada tua avenida

a cera foi tarrada
não se admire

ta no céu não espere o tiro apenas mire

a cera foi tarrada
não se admire

ta no céu balão de bucha não espere o tiro apenas mire

depois da bença o peito amassado
é hora do cerol é hora do traçado
quem não cobre fica no samba atravessado
sobe balão no samba céu rezado

Só Preciso De Cinco Minutos (Boss Ac)

YO! Esta é para gravar em cinco minutos…

Dá-me cinco minutos, cinco minutos, só preciso de cinco minutos. YO!

Daqui a cinco minutos onde é que tu vais estar,
Cinco minutos chegam para o Mundo acabar,
Cinco minutos parado no vermelho, não há paciência,
Cinco minutos, vais dos insultos à violência.

Cinco minutos mal parado, e és logo multado,
Faz diferença ficar cinco minutos deitado,
Cinco minutos a discutir e já disseste tudo,
Reprovas no exame por teres cinco minutos de estudo.

Cinco minutos chegam para perderes o avião,
Cinco minutos de atraso causam má impressão,
Em cinco minutos quantas bombas podem explodir,
Quantas crianças com frio por não terem o que vestir.

Cinco minutos à chuva podem acabar em gripe,
Em cinco minutos vês o meu vídeo-clip,
Em cinco minutos vais de garanhão a desilusão,
Cinco minutos chegam para saber se gostas ou não.

Refrão:
(Cinco minutos Yo) Tás a sentir (tic-tac), não é preciso muito, apenas…
Cinco minutos, eu só preciso de cinco minutos (hey, YO!),
Tás a sentir (tic-tac), não é preciso muito, apenas…
Cinco minutos, eu só preciso de cinco minutos.
Hey, YO! Dá-me cinco minutos!

Cinco minutos num foguete e atravessas Continentes,
Cinco minutos a correr, ficas com as pernas dormentes,
Cinco minutos aflito e podes fazê-lo nas cuecas,
Cinco minutos de peões deixam-te os pneus carecas.

Trezentos segundos a ferver e entorna-se o caldo,
Cinco minutos para outra rede e acaba-se o saldo,
Em cinco minutos quantos bebés nascem no Mundo,
Cinco minutos a entrar água e o barco vai ao fundo.

Cinco minutos chegam para mudares de opinião,
Cinco minutos sem ela, já aperta o coração,
Há cinco minutos atrás, quanto tempo faltava,
Senão tivesses cinco minutos este beat já não tocava.

Cinco minutos no dentista, quanto é que ele te cobra,
Cinco minutos ouves esta música e ainda sobra,
Cinco minutos às vezes custam tanto a passar,
Cinco minutos chegam para muita coisa mudar.

Refrão:
(Cinco minutos Yo) Tás a sentir (tic-tac), não é preciso muito, apenas…
Cinco minutos, eu só preciso de cinco minutos (hey, YO!),
Tás a sentir (tic-tac), não é preciso muito, apenas…
Cinco minutos, eu só preciso de cinco minutos.
Hey, YO! Dá-me cinco minutos!
(x2)

Opalão Preto (Pavilhão 9)

De manhã, vestido de preto, não me pergunte,o
porque ? Um opalão preto estando atrás de você !
Eu nunca estive tão perto e tanta sorte a nível.
Inconfudível maluco, era escuro, era ele ! Bem
sossegado na moral, descendo a rua, apagadão no
ponto morto na captura e vem que vem na banguela,
desce que desce a favela. É venenoso, silencioso e
bem sinistro ! É suspeito em qualquer local, corre o
risco, por onde passa todos pagam um pau, saiba
disso ! Mas só que este você tá ligado ? Aliado
vai dar um nó no sapato ou seja encaixotado, a treta é
forte não é H, fique esperto !!! Parece um mostro da
noite está de luto direto não me pergunte o porquê,
quem sabe um pingo é letra, só dá pra ver o reflexo de
quem digire e dos ferros, Q.S.L. a pampa, se não sacou
sai fora !!! Pois quando as portas abrem, os faróis
acendem engatilhadas precisam, trocar de pentes, sai
fora ! Então agora fulano, pague pra não ver um
opalão preto estando atrás de você ...
Um opalão preto estando atrás de você, pá, pá, pague pra não ver...
Um opalão preto estando atrás de você, não olhe pra trás, nãotente correr ...
20 por hora é costume 6 cilindros é o crime parece
história de filme não é H, eu já disse se estou errado
me entime, se ligue, aliado Rho$$i, é com nós Pavilhão,
Pavilhão ! Rebaixadão de bandido, é o que liga, se liga
vidro fumê não dá pra ver, teto solar, pá, pá. Se te
catar fora de hora não fica pra contar história o
som é dá hora pá e bola, Pavilhão ! O som das áreas
não damos brechas nem falhas pisou conosco saia
andando, ele vem que vem rasgando, sai da reta !!! Ele
vem que vem atropela, ele é a lei da favela, no porta
malas imagino o que pode ter ? No porta luvas, sem
dúvida, 38 e PT. Ronco de monstro escapamento
enfurecido a tala é larga e o som que rola é som
de bandido, sai ficando, fugido ou está fudido, um
paletó de madeira te espera, pois vacilou na
favela vai pro espaço já era, ele é a lei e eu já te
avisei ... pague pra não ver

Daqui Pra Lá (Titãs)

O futuro é hoje, cabe na mão, 4x

Era um pacato cidadão, sem documento,
Não tinha nome, profissão, não teve tempo, 2x

Mas certo dia deu-se um caso e ele ambarcou num disco
E foi levado pra bem longe do asterisco em que vivemos
Ele partiu e não voltou e não voltou porque não quis
Quero dizer ficou por lá, já que por la se é mais feliz
E um espaçograma ele enviou, Pra quem quisesse compreender
Mas ninguém nunca decifrou o que ele nos mandou dizer

O futuro é hoje, cabe na mão, 4x

Era um pacato cidadão, sem documento,
Não tinha nome, profissão, não teve tempo, 2x

VietVistaVisão
Para azar de quem não sabe e não crê
Que sempre pode a sorte escolher
E enterrar qualquer estrela no chão

VietVistaVisão
Terramarear Atenção
Fica a morte por medidia
Fica a vida por prisão

Ninguém Está Ouvindo (The French People)

De uma olhada no estilo e as crianças parando para isso
A questão numero um é como você pôde ignorar isso
Derrubamos bem no corte
Nas pistas no porão
Com batidas que te pegaram ajudando isso como
Estávamos apenas dançando com o ritmo
Levantado da poeira da divisão de estilo
Com essas letras da vida que não param
Não parar ser esquecido
Mas ainda sem perdão
Mas no meio tempo há aqueles que querem
Conversar sobre isso e aquilo / então eu acho
Que isso chega ao ponto nos sentimentos que ferem
Que fica sujo com as pessoas espalhando a sujeira
Então

Tento te avisar
Mas todos me ignoram
[te disse tudo alto e claro]
Mas ninguém está ouvindo
Chamei você tão claramente
Mas você não quer me ouvir
[te disse tudo alto e claro]
Mas ninguém está ouvindo

Tenho um
Coração cheio de sofrimento / cabeça cheia de stress
Mão cheia de raiva / segurança em meu peito
E tudo deixado é um desperdício de tempo
Odeio as rimas
[mas odeio todo mundo mais]
Estou encarando de costas essa pressão
Adivinhado que está melhor
Que não consigo me unir
Por causa de todo esse stress
Me deu algo do que escrever
A dor me deu algo com que pude ampliar minha visão
Você nunca esquece o sangue, suor e lágrimas
O penoso esforço durante anos
O medo e a bobagem conversando
E as pessoas que eram
E as pessoas que começaram isso
Assim como você

Mas todos me ignoram
[te disse tudo alto e claro]
Mas ninguém está ouvindo
Chamei você tão claramente
Mas você não quer me ouvir
[te disse tudo alto e claro]
Mas ninguém está ouvindo


Tenho um
Coração cheio de sofrimento / cabeça cheia de stress
Mão cheia de raiva / segurança em meu peito
Esforço penoso / sangue, suor e lágrimas
Nada a ganhar / tudo a temer

Mas todos me ignoram
[te disse tudo alto e claro]
Mas ninguém está ouvindo
Chamei você tão claramente
Mas você não quer me ouvir
[te disse tudo alto e claro]
Mas ninguém está ouvindo

Tenho Tenho Tenho Tenho
Mas ninguém está ouvindo
[te disse tudo alto e cla-a-a-ro]
Mas ninguém está ouvindo

Teresa Y El Oso (Les Luthiers)

Aquella, habría sido una tranquila mañana de otoño en el bosque, una mañana de otoño común y corriente, si no fuera que ya eran las cuatro de la tarde y estaban en verano.

Todos los animales habían sido citados por la princesa Teresa en un claro del bosque para averiguar cual de ellos era su prometido, el duque Sigfrido el Erguido.

El duque, había sido hechizado por la bruja Granuja, que no sólo lo había transformado en algún animal del bosque, sino que además, le había quitado la memoria.

El pajarillo Amarillo, cantaba alegremente. El pajarillo decía: “Solo el amor de la princesa puede devolver la forma humana al duque”.
En ese momento, se presentó el jabalí Alí. El jabalí preguntó: “¿Por lo de la princesa es aquí?”
“Si”, dijo el pajarillo” Nos han citado a todos. A propósito, ahí viene, arrastrándose, el molusco Pardusco”.
El molusco preguntó: “He perdido mi caparazón. ¿No lo vieron?”
En ese momento, apareció volando la mariposa Golosa. “¡Socorro!”, se quejaba la mariposa, “¡Me persigue el oso Libidinoso!”, y apareció corriendo tras ella, el oso Libidinoso.
El oso, perseguía a la mariposa ofreciéndole una margarita y recitándole un poema que decía: “¡Sublime éxtasis de amor, mariposa, que acelera mis latidos, vayamos, vayamos, vayamos, vayamos, vayamos pronto!”.
El molusco se interpuso. El oso bramó: “¿Y tú que quieres, despreciable molusco?”
“¿No vio mi caparazón?”
El instante fue aprovechado por la mariposa Golosa, que se escondió ayudada por el pajarillo Amarillo.

Hacía ya tres lunas que la bruja había hechizado al duque. La hermosa princesa Teresa deambulaba en su búsqueda, lamentándose de su suerte. La acompañaban en silencio sus fieles gansos Mansos.

El pajarillo anunció: “¡Ya llega la princesa! ¡Que triste está!”, y apareció la princesa.
Entonces, apareció la bruja Granuja. La bruja se burlaba: “¡Nunca sabrás en que animal he convertido al duque! ¡Ni siquiera él recuerda nada, ja ja ja!”

La princesa clamaba: “¿Dónde estás, Sigfrido, Sigfrido? ¿Qué clase de animal eres?”

Los gansos consolaban a la princesa: “¡Tranquilízate!”, dijo el gansito pequeño, “Ten calma”, agregó la gansa robusta, “Todo irá bien”, dijo el ganso viejo.
“¿No vio mi caparazón?”

De pronto, la gansa robusta lanzó un grito de indignación, le dio una tremenda bofetada a un cuarto ganso enorme que estaba a su lado y salió corriendo. El ganso enorme no era otro que... ¡el oso libidinoso disfrazado!, que corría a la gansa ofreciéndole una margarita al grito de “¡Sublime éxtasis de amor, gansita, vayamos, vayamos pronto!”
Los gansos fueron en ayuda de la gansa robusta, y la princesa se quedó sola.
“No debo flaquear”, díjose la princesa, “no debo flaquear, debo encontrar al duque”, pero en ese momento, se hicieron oír los bajos instintos de la princesa: “Olvida al duque. Recuerda los abrazos de aquel fornido palafrenero de palacio”. “Pero debo cumplir con mi deber”. “¿Y si algo falla y el hechizo de rompe sólo a medias? El duque podría quedar medio animal...” “Bueno, en eso es igual el palafrenero...”

Mientras esto sucedía en el bosque, veamos que pasaba en una pacífica granja cercana.
El granjero, silbando distraídamente, ordeñaba a la vaca Resaca. La vaca rumiaba sus pensamientos... y otras flores que había comido esa mañana. “¡Que extraño!”, pensaba la vaca Resaca, “es la primera vez que me ordeña de tarde...” y miró al granjero. Resaca lanzó un mugido y salió corriendo. El granjero no era otro que... ¡el oso Libidinoso disfrazado!, quien comenzó a perseguirla ofreciéndole una margarita al grito de “¡Sublime éxtasis de amor, vaquita, vayamos, vayamos pronto!”.

En el bosque, la princesa, ayudada por los gansos Mansos, se había interrogado a casi todos los animales, pero no había logrado averiguar cual de ellos era el duque. Una triste desazón invadió a la princesa.

De pronto, los gansos, viendo llegar al pajarillo y a la mariposa, bramaron: “Ustedes dos, ¿qué hacían la noche en que el duque fue hechizado?”. “Nada, nada”. “¡Confiesen!”, (marcha nupcial)“y bien, si, pero nos vamos a casar”. Un fracaso más. Otra triste desazón invadió a la princesa.

Teresa, alzó sus bellos ojos, como implorando ayuda a los que la rodeaban. Hasta que su mirada se cruzó con la del jabalí Alí. “¡Miren!, ¡Si, si, no hay duda!”, dijo la princesa, “¡el jabalí tiene la misma mirada que el duque!”. El jabalí, con sombría voz declaró: “Es que yo no soy un jabalí”. “¡Oh!”. “¡Yo soy... ¡”. “¡Él es... !”. “Un duque hechizado”. “¡El duque Sigfrido!”. “No, el duque de Mantua”. “¿Y que haces aquí?”, preguntó sorprendida la princesa. “¡Me echaron de Rigoletto!”. La última posibilidad había fracasado. Otra triste desazón más invadió a la princesa.

De pronto, de la espesura surgió el oso Libidinoso y exclamó: “¡Aguarde! ¡Al ver a Teresa recuperé la memoria! ¡Ahora entiendo la causa de mi vergonzoso desenfreno! ¡He sido víctima de un hechizo cruel! ¡Gracias, amor mío, por venir a salvarme! ¡Yo soy el duque Sigfrido!”. Dicho esto, el oso arrancó una margarita, y viendo la alegría en el rostro de la princesa Teresa, se dirigió a su encuentro triunfalmente. El oso le ofreció la margarita a la princesa, pero en ese momento, la bruja Granuja se interpuso, y con aire trágico gritó: “¡Tú no eres el duque, farsante! No puedo soportar este atropello. ¡Yo no sirvo para bruja! Lo hago para complacer a mi familia. El duque Sigfrido es el molusco”, y la bruja se fue llorando, mientras el oso, conmovido, corría tras ella, ofreciéndole la margarita.
Todos felicitaron al molusco, quien avanzó hacia la princesa lentamente, como un duque. Mientras el molusco agradecía los aplausos, Teresa lo tomó con amor, y lo depositó suavemente sobre la palma de su mano. Y ante el asombro y el esfuerzo de Teresa, el molusco se fue transformando en un joven esbelto y hermoso: El duque Sigfrido.

Allí están Sigfrido y Teresa, con los corazones entrelazados, mirándose a las manos y con los ojos latiendo al unísono. Y ya inician su triunfal regreso al palacio. Los animales los escoltan en eufórico cortejo.

Todos bailan alegremente. Y allá van, encabezando el cortejo, el duque, la princesa, y su flamante dama de compañía que no es otra que... disfrazado, el oso Libidinoso.

Coded Language (Saul Williams)

Whereas, breakbeats have been the missing link connecting the
diasporic
community to its drum woven past
Whereas the quantised drum has allowed the whirling
mathematicians to
calculate the ever changing distance between rock and stardom.
Whereas the velocity of the spinning vinyl, cross-faded, spun
backwards, and
re-released at the same given moment of recorded history , yet
at a
different moment in time's continuum has allowed history to
catch up with
the present.

We do hereby declare reality unkempt by the changing standards
of dialogue.
Statements, such as, 'keep it real', especially when punctuating
or
anticipating modes of ultra-violence inflicted psychologically
or physically
or depicting an unchanging rule of events will hence forth be
seen as
retro-active and not representative of the individually
determined is.

Furthermore, as determined by the collective consciousness of
this state of
being and the lessened distance between thought patterns and
their secular
manifestations, the role of men as listening receptacles is to
be increased
by a number no less than 70 percent of the current enlisted as
vocal
aggressors.

Motherf**kers better realize, now is the time to self-actualize
We have found evidence that hip hops standard 85 rpm when
increased by a
number as least half the rate of it's standard or decreased at ?
of it's
speed may be a determining factor in heightening consciousness.

Studies show that when a given norm is changed in the face of
the
unchanging, the remaining contradictions will parallel the
truth.

Equate rhyme with reason, Sun with season

Our cyclical relationship to phenomenon has encouraged scholars
to erase the
centers of periods, thus symbolizing the non-linear character of
cause and
effect
Reject mediocrity!

Your current frequencies of understanding outweigh that which as
been given
for you to understand.
The current standard is the equivalent of an adolescent
restricted to the
diet of an infant.
The rapidly changing body would acquire dysfunctional and
deformative
symptoms and could not properly mature on a diet of apple sauce
and crushed
pears
Light years are interchangeable with years of living in
darkness.
The role of darkness is not to be seen as, or equated with,
Ignorance, but

with the unknown, and the mysteries of the unseen.

Thus, in the name of:
ROBESON, GOD'S SON, HURSTON, AHKENATON, HATHSHEPUT, BLACKFOOT,
HELEN,
LENNON, KHALO, KALI, THE THREE MARIAS, TARA, LILITHE, LOURDE,
WHITMAN,
BALDWIN, GINSBERG, KAUFMAN, LUMUMBA, GHANDI, GIBRAN, SHABAZZ,
SIDDHARTHA,
MEDUSA, GUEVARA, GUARDSIEFF, RAND, WRIGHT, BANNEKER, TUBMAN,
HAMER, HOLIDAY,
DAVIS, COLTRANE, MORRISON, JOPLIN, DUBOIS, CLARKE, SHAKESPEARE,
RACHMNINOV,
ELLINGTON, CARTER,**E, HATHOWAY, HENDRIX, KUTL, DICKERSON,
RIPPERTON,
MARY, ISIS, THERESA, PLATH, RUMI, FELLINI, MICHAUX, NOSTRADAMUS,
NEFERTITI,
LA ROCK, SHIVA, GANESHA, YEMAJA, OSHUN, OBATALA, OGUN, KENNEDY,
KING, FOUR
LITTLE GIRLS, HIROSHIMA, NAGASAKI, KELLER, BIKO, PERONE, MARLEY,
COSBY,
SHAKUR, THOSE STILL AFLAMED, AND THE COUNTLESS UNNAMED

We claim the present as the pre-sent, as the hereafter.
We are unraveling our navels so that we may ingest the sun.
We are not afraid of the darkness, we trust that the moon shall
guide us.
We are determining the future at this very moment.
We now know that the heart is the philosophers' stone
Our music is our alchemy
We stand as the manifested equivalent of 3 buckets of water and
a hand full
of minerals, thus realizing that those very buckets turned
upside down
supply the percussion factor of forever.
If you must count to keep the beat then count.
Find you mantra and awaken your subconscious.
Curve you circles counterclockwise
Use your cipher to decipher, Coded Language, man made laws.
Climb waterfalls and trees, commune with nature, snakes and
bees.
Let your children name themselves and claim themselves as the
new day for
today we are determined to be the channelers of these changing
frequencies
into songs, paintings, writings, dance, drama, photography,
carpentry,
crafts, love, and love.
We enlist every instrument: Acoustic, electronic.
Every so-called race, gender, and **ual preference.
Every per-son as beings of sound to acknowledge their
responsibility to
uplift the consciousness of the entire f**king World.
Any utterance will be un-aimed, will be disclaimed - two rappers
slain
Any utterance will be un-aimed, will be disclaimed - two rappers
slain

Esperanduquê (Gabriel O Pensador)

Eu nada posso esperar de uma raça que só tem filha da puta
Se espalha por todo lugar mas tem mais em Brasília
Escuta
No Brasil já teve guerrilha
Com armas, com tudo
Mas hoje só temos um bando de cego, surdo, burro e mudo
Ninguém faz nada
Nem os governantes nem a massa dominada
O povo é ignorante e o governo é uma piada
E se você não é um ignorante muito bem!
Então pelo amor de Deus venha se expressar também
A voz do povo é a voz de Deus
Quem disse isso não fui eu
Mas eu acho que quem escreveu essa frase era ateu
Porque esse povo tá sem voz, o povo tá calado
Tá parado esperando Deus, batendo palma pro diabo
E enquanto o diabo-rato-porco vai se perpetuando
O povo fica parado debaixo
De quatro
Bobo olhando
Deitado de bruços
Esse é o povo brasileiro
Bobo escutando
Bobo escutando
É você
Bobo esperando
Bobo esperando...
Esperando...
Esperanduquê?

Como Um Menino (LS Jack)

Eu sei que você me faz tão bem, perco toda razão
Enlouquecido, entregue em suas mãos
Assim como um menino
que não sabe esperar
Vivo cada segundo só pra te encontrar
Eu sei que juntos sonhamos igual
O mundo é de nós dois e tudo mais fica pra depois
Assim como um menino que não sabe esperar
Vivo cada segundo só pra te encontar
Não existe dor e o teu jeito de sorrir
faz com que eu ame só você...!
Assim com um menino que não sabe esperar
Vivo cada segundo só pra te encontrar
Eu sei que você me faz tão bem
Eu sei que você me faz tão bem, tão bem...


Video


Muy lindo tema de lumumba que nunca nadie subio no entiendo como noe staba esto en youtube disfruten raggamufin de verdad esto ai aca.




Mp3, Musica, Descarga, Letras, Canciones, Conciertos, Boletos, Live, Video, DVD, Gratis, Discografia, Mpeg, Compra, Grupo, Artista, Album, Coleccion, Archivo, Eventos, Busca, CD